18/03/2021

Paisagismo: Entenda o que, e dicas para usar em seu projeto


Compartilhe:

Paisagismo é a técnica de projetar, planejar, fazer a gestão e a preservação de espaços livres, sendo eles públicos ou privados, urbanos e não-urbanos. Essa área é relacionada diretamente com a arquitetura e o urbanismo e visa, em suma, organizar a paisagem.

O paisagismo vai muito além da criação de jardins e praças, trata-se de uma técnica bastante específica voltada também para a elaboração de projetos de criação ou substituição de espaços afetados por construções desordenadas.

A missão do paisagismo inclui recompor espaços geográficos e organizar a paisagem para criar condições de uso pelo público, utilizando não apenas conhecimentos de botânica e ecologia, mas também de arquitetura e dos costumes da região, combinando cores e formatos para gerar um resultado harmonioso e agradável de convivência.

O que é paisagismo?

Paisagismo é a técnica de projetar, planejar, fazer a gestão e a preservação de espaços livres, sendo eles públicos ou privados, urbanos e não-urbanos. Essa área é relacionada diretamente com a arquitetura e o urbanismo e visa, em suma, organizar a paisagem.

O arquiteto paisagista tem a tarefa de repensar o ambiente visando preservar seu solo e cobertura vegetal, garantindo a continuidade botânica do espaço, além de deixá-lo mais bonito e funcional para moradores e visitantes.

 

Ao procurar um paisagista, clientes geralmente buscam intervenção profissional para a construção de jardins bonitos, que tragam um bom cenário para a convivência em suas casas ou espaços de trabalho.

Mas é sempre importante lembrar que o paisagismo vai muito além da estética.

Também chamado de arquitetura da paisagem, o paisagismo deve levar em conta e harmonizar quatro características importantes em seus projetos:

  1. Geográficas
  2. Hidrográficas
  3. Bióticas
  4. Humanas

Todas elas perseguem uma estética homogênea e equilibrada, considerando outros componentes importantes da paisagem urbana, como vegetação, área construída, circulação de pessoas e a presença de espaços livres.

Um projeto de paisagismo deve ser minimamente invasivo à natureza. Conceitualmente, ele existe, inclusive, para extrair da natureza sua beleza vegetal aliando suas características ao cenário de edifícios e moradias ao seu redor.

O objetivo, em muitos casos, é criar belos jardins, mas para isto, é de responsabilidade do arquiteto paisagista fazer um estudo ambiental e social para dar a esses espaço um valor estético que não deixa de lado as funções práticas para a convivência.

A ideia do paisagismo é oferecer harmonia entre os elementos sem agredir a natureza, reafirmando o compromisso de mantê-la ainda mais presente e forte.

Paisagismo e sustentabilidade na arquitetura tem uma forte relação, confira dicas incríveis para promover a arquitetura sustentável e decolar nesse novo nicho de mercado

4 técnicas de paisagismo

As técnicas de paisagismo na arquitetura são parte da definição de o que é paisagismo na prática.

Elas são elaboradas para que o profissional tenha um olhar construtivo sobre solo, terra, ambiente e construções ao redor da área em que ocorrerá a intervenção paisagística.

Essas técnicas de paisagismo vão desde de criar um jardim suspenso ou vertical, até pensar em como plantas para áreas internas podem se adequar a determinados espaços.

Além disso, as técnicas de paisagismo visam a preservação de espécies da flora, a exploração inteligente desses recursos no sentido de aproveitar as propriedades de cada planta para criar espaços com mais harmonia e funcionalidade, gerando ambientes próprio para um convívio agradável, sustentável e que atenda às necessidades do projeto.

O resultado sempre buscará fim estético como consequência, mas não pode ser este o único objetivo de um arquiteto paisagista.

Confira algumas dessas técnicas:

1 – Jardim Vertical

Entender o que é paisagismo sem passar pelo conceito de jardins verticais é driblar a própria tendência do segmento.

A técnica de colocar plantas na posição vertical tornou-se regra para alguns espaços livres ou não, invadindo também casas e até apartamentos.

O resultado fica bonito, elegante e cria proximidade com a  natureza, mesmo quando a restrições de área de solo que pode ser coberta pela vegetação.

Projetos de paisagismo em residências são os mais comuns para receber um jardim vertical ou muro verde, mas eles podem ficar muito bem em outros ambientes.


A técnica de implementação do jardim vertical envolve o conhecimento do local que irá receber esse conceito.

É fundamental que o paisagista escolha quais os tipos de plantas que mais se adéquam a este espaço, levando em conta detalhes como necessidade de rega, substrato adequado e o desenvolvimento das raízes das plantas.

2 – Mobiliário externo para jardins 

Para melhor aproveitar os espaços de um projeto de paisagismo, é importante proporcionar locais de convívio, recreação e mesmo de contemplação e descanso nos jardins e praças.

Afinal, o que é o paisagismo se não a técnica de tornar a paisagem mais bonita em harmonia com seus usuários? Se eles não tiveram onde se sentar ou se proteger do sol e da chuva, esse conceito não funcionará.

 

Para isso, o uso de móveis adequados é fundamental, assim como de algumas estruturas, como gazebos e fontes.

Alguns exemplos de móveis adequados são bancos de ferro, madeira e outros materiais sintéticos, todos eles duradouros e resistentes à chuva e ao sol.

Gazebos e fontes

Gazebos são estruturas abertas em todos os lados, geralmente com quatro colunas de madeira que sustentam um pergolado onde podem ser apoiadas plantas (o mais comuns são trepadeiras floridas) gerando sombra e um espaço agradável de convivência e descanso.

O uso de fontes é outra técnica de paisagismo usada para organizar espaços onde há uma incidência hídrica maior, evitando a formação de charcos e outros acúmulos de água, ao se direcionar esse elemento natural para ambientes controlados.

Há também quem crie fontes artificiais com a única finalidade de ornamentar o espaço.

 

Mobiliário em jardins residenciais

Vale a pena estender esse assunto quando nos referimos a moradias, pois muitos dos projetos de paisagismo desenvolvidos por escritórios visam atender clientes residenciais.

Nesse tipo de projeto de paisagismo, móveis de jardim também desempenham um papel importante.

Eles proporcionam um espaços de convivência agradável entre amigos e familiares, que podem fazer refeições juntos, aproveitar a tarde para bater papo ou ler um livro.

Nessa formatação de plantas com móveis de jardim, a família aproveita o espaço de forma muito mais completa. A prática de colocar mesas e cadeiras em locais estratégicos dos gazebos, varandas ou recantos une as pessoas de maneira mais confortável.

 

É de responsabilidade do paisagista escolher os móveis que serão bem adaptados e aproveitados no espaço do cliente.

A ideia é que o paisagismo residencial também proporcione tranquilidade, aproveitando as boas vibrações da natureza

3 – Texturas diversificadas

Uma técnica recorrente no paisagismo é o uso de texturas.

Nesse conceito, o paisagista combina folhagens, tecidos, móveis e estruturas maiores para criar um ambiente bonito e bastante aconchegante.

Assim, muros de pedra tem um efeito sobre a paisagem bem diferente de uma cerca de madeira ou de uma estrutura vazada, como treliças ou os famosos cobogós, uma criação brasileira de tijolos vazados que se encaixam.